Seletor idioma

Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > PPGL Divulga > [CHAMADA PARA PUBLICAÇÃO] Revista Olho D´água (UNESP)
Início do conteúdo da página

[CHAMADA PARA PUBLICAÇÃO] Revista Olho D´água (UNESP)

Publicado: Segunda, 01 de Junho de 2020, 15h22 | Última atualização em Segunda, 01 de Junho de 2020, 15h23 | Acessos: 43

Links relacionados:

A revista Olho D’água convida pesquisadores da área de Letras e afins para pensar as relações entre Literatura, Corpo e Biopolítica.

Em sua História da Sexualidade I – A Vontade de Saber, Michel Foucault remonta à Idade Média, quando o governo, centralizado na figura do rei, detinha o poder sobre a vida de seus súditos, determinando inclusive quem tinha o direito de permanecer vivo e quem deveria morrer, seja servindo aos exércitos, seja por meio da pena de morte. Na passagem para a modernidade, contudo, este poder sobre a vida se torna mais difuso e menos centralizador. Ele continua existindo, mas por outros meios que elegem, sobretudo, o corpo como objeto último que deve ser controlado, mensurado e vigiado. Deste modo, estabelecem-se saberes sobre o corpo que passam desde o discurso médico e jurídico até a instituição de comportamentos considerados socialmente válidos, sobretudo em relação à sexualidade. Criam-se inúmeros meios de controle sobre a vida, com o estudo de estatísticas, expectativa de vida, natalidade, saneamento etc., que têm como resultado um crescimento populacional nunca experimentado. Como consequência, no entanto, é preciso estabelecer normas e condutas para poder gerenciar estas “vidas a mais” que passaram a integrar o corpo social. Este processo é ilustrativo das diferentes formas de atuação de forças políticas e sociais que incidem sobre o corpo, seja por meio de violência, submissão ou opressão física, ou, ainda, por meio do controle dos processos vitais. Neste sentido, propomos a reflexão sobre estas questões e sobre como elas estão presentes na literatura. Desde a representação da violência em regimes autoritários até as limitações pessoais e coletivas implicadas em processos traumáticos, como aqueles experimentados por meio de doenças, prisões, guerras, escravidão, tortura ou outras formas de conflito. Também serão bem-vindos artigos que discutam as relações entre literatura e corpo a partir de outras perspectivas teóricas.

Além do dossiê sobre Literatura, Corpo e Biopolítica a revista também recebe para este número artigos com temática livre.

Prazo para envio: 15 de agosto de 2020.

registrado em:
Fim do conteúdo da página